domingo, 9 de outubro de 2011

Família distante

No escuro lá da frente da casa
As histórias eram todas contadas
A atenção das crianças
Era a luz que faltava

E passavam-se horas e horas
As velas todas acesas
As sombras se confundindo
O riso solto e o assombro

Algumas cantigas e lendas eram repetidas
Mas ninguém ligava
Pareciam desconhecidas
Por ser um outro que as contava

Nas histórias de terror
Sempre emergia um timbre
Ou olhar
Que assustava mais que o anterior

Naqueles tempos era bom viver
Parecia que o futuro era algo distante
Que na verdade nunca viria
Mas veio, frio e veloz

Já não se falta luz onde vivo...
Os adultos se dissiparam, estão a sós
As crianças todas já foram dormir
E a falta que faz aquele escuro que tudo dizia
Onde tudo se via mais pleno e feliz

Toda essa falta dói em mim.

2 comentários:

  1. Acho que esse texto pode continuar...

    #ficaadica.

    rs.

    ResponderExcluir
  2. Rita de Cassia Lemos29 de novembro de 2011 06:34

    Mi,adorei essa "Família Distante".Não sabia que vc estava colocando suas poesias aqui.Vou ler todas.Já conheço algumas,vc colocou aquela que vc escreveu sobre Recife,foi em que ano?Parabéns, adoro suas palavras. bjs

    ResponderExcluir